Cascudo Tigre de Ouro 5 a 7 cm ( L134 )

Código: 4923

Marca: Loja

Avaliação: 0 Comentário(s)
Na compra desse produto ganhe 110 pontos RsDiscus

Por:
R$ 110,00

Apenas R$ 99,00 à vista com desconto
/3

Simulador de Frete
- Simulador de Frete

Cascudo Tigre de Ouro L134


Nome popular: Cascudo, Tigre de Ouro, L134, Acarí, Pleco, Leopard Frog Pleco

Nome científico: Peckoltia compta, De Oliveira, Zuanon, Rapp Py-Daniel & Rocha, 2010

Família: Loricariidae

Origem: América do Sul / Bacia do Rio Tapajós

Sociabilidade: Sozinho, casal

pH: 6.0 a 7.4

Dureza da água: mole a média

Temperatura: 24ºC a 28ºC

Expectativa de vida: Cerca de 5 a 8 anos

Manutenção: Fácil

Tamanho adulto: Aproximadamente 30 cm

Alimentação: Onívoro com tendência a carnivorismo, se quiser incentivar a reprodução e manter seu cascudo saudável, complemente sua dieta oferecendo – além das rações específicas para peixes de fundo – alimentos de origem vegetal, como por exemplo: abóbora, pepino, abobrinha, alface, couve, vagem, ervilha, batata (ocasionalmente) e alimentos vivos como, por exemplo, enquitreias e bloodworms. Alimente seu cascudo pouco antes de apagar as luzes do aquário.

Dica RsDiscus: As seguintes rações atendem às necessidades alimentares desta espécie – JBL Novo Fect Tabletes, JBL Premium Tabis, Sera Plankton Tabs, Sera Spirulina Tabs, Sera Viformo, Sera Vipachips, Tetra Min Tropical Tablets, Tetra Veggie Algae Wafers Extreme. Lembre-se de sempre alternar as rações para oferecer uma dieta rica e variada!

Veja as rações indicadas nos catálogos abaixo:

Rações Tetra

Rações Sera

Rações JBL

 

Dimorfismo Sexual: É mais fácil sexá-los quando os vemos por cima, a fêmea costuma ter o ventre um pouco mais roliço que o do macho, os machos são maiores e mais robustos, apresentam odontodes (pequenos “espinhos”) nas nadadeiras peitorais e ao longo de parte do corpo. Importante: estas características aparecem em peixes no final do estágio juvenil e em adultos, a diferença sexual entre filhotes é mais difícil de ser observada.

Comportamento: São peixes territoriais com os da mesma espécie e semelhantes e pacíficos com os demais, podem ser facilmente mantidos em aquários comunitários, desde que com companheiros compatíveis.

Reprodução: Separe o casal em um aquário próprio para a reprodução, sem outros peixes que possam importuná-los ou tentar comer seus ovos e filhotes, ofereça alimentação reforçada (incluindo proteína animal) e quando a fêmea estiver visivelmente mais roliça (cheia de ovos), realize uma troca de água volumosa – cerca de 50% – e levemente mais fria, aumente a vazão da filtragem criando uma leve correnteza e aumentando a oxigenação. Repita o procedimento até que a fêmea desove.

Geralmente o macho cuida da desova, desde sua postura até a eclosão.

Os ovos, por sua vez, são aderentes e eclodirão dentro de alguns dias, após a eclosão, os alevinos irão consumir o saco vitelino, depois podem ser alimentados com nauplios de artêmia, microvermes, infusórios, ração específica para alevinos de ovíparos. Recomenda-se usar filtro interno de espuma ou então colocar perlon na entrada de água do filtro externo para evitar sugar os filhotes quando em aquários próprios para reprodução.

Tamanho mínimo do aquário: 70 litros.

Outras Informações: O Gênero Peckoltia refere-se a Gustavo Peckolt, um membro da Comissão de História Natural de Rondônia e abrange - no momento - cerca de 13 espécies classificadas, mas ainda existem várias outras a serem descritas. O epíteto específico - compta - significa "adornado / ornamentado" e remete ao chamativo padrão de coloração da espécie.

Estes peixes apresentam sua coloração de forma vívida apenas quando mantidos em ambiente ideal, peixes em situação estressante (baterias de lojas, logo após o transporte, etc) podem apresentar coloração muito pálida, que é facilmente revertida ao ser transferido para um local com parâmetros e necessidades adequadas à espécie.

A maioria dos cascudos vive junto ao substrato, infelizmente, este comportamento frequentemente leva ao erro de serem comprados e/ou vendidos como peixes que se alimentam de restos encontrados pelo aquário e que irão "limpar o fundo" do seu aquário. Embora eles se alimentem de pedaços de ração que cheguem ao substrato, não o mantém "limpo". Na verdade, a manutenção do substrato se torna ainda mais importante quando você mantém cascudos no aquário! Eles podem desenvolver sérias infecções nos barbilhões (aqueles filamentos que ficam ao redor da boca) quando mantidos em contato com substratos sujos ou em condições adversas.

Existe uma grande variedade de rações específicas para peixes de fundo (já citadas na parte destinada à alimentação deles), elas devem ser a base da alimentação dos seus cascudos, nada de deixá-los se alimentando apenas de restos!

Apresentam raios duros nas nadadeiras, peitorais e dorsal, que servem como defesa contra predadores e não são raros os casos em que, ao manter peixes muito grandes junto com cascudos menores, os mesmos fiquem presos na boca do predador podendo levá-los à morte ou a infecções terríveis causadas pelos ferimentos. Existem vários relatos em fóruns de aquarismo, onde peixes grandes como o Apaiari (Oscar) tentou comer um cascudo de porte menor e acabou entalado, resultando na morte do cascudo e até algumas vezes na do próprio ciclídeo guloso.

Portanto, cuidado com os companheiros de aquário! Nada de deixá-los com peixes que apresentem bocas grandes o suficiente para tentar engolí-los.

O aquário ideal deve possuir um substrato fino que não machuque seus delicados barbilhões nem permita o acúmulo de detritos que possam contribuir para deteriorar a qualidade da água, sendo, neste caso, a areia o mais indicado. Caso opte por usar cascalho de rio – que possui granulometria maior – lembre-se  sempre de sifonar bem o fundo para evitar o acúmulo de detritos. Folhas e troncos também são recomendados, a iluminação não deve ser muito forte e, apesar da ampla faixa de pH e GH, preferem águas mais ácidas e moles.

É extremamente importante o monitoramento dos parâmetros da água, para isto são recomendados os testes periódicos de pH, GH, KH, Amônia, Nitrito e Nitrato. Existem produtos que testam certos parâmetros constantemente, sem que o aquarista necessite fazê-los a toda hora e que permitem um monitoramento 24 horas, são eles o Seachem Ammonia Alert e Seachem pH Alert – ambos disponíveis em nossa área de "Medicamentos e Testes". Todos os outros testes químicos também podem ser encontrados na mesma área supracitada do site.

Igualmente importante é a manutenção constante da temperatura da água para evitar quedas bruscas que podem levar à debilitação do sistema imunológico do animal e ao surgimento de doenças. Esta manutenção é atingida com o auxílio de aquecedores e/ou termostatos – sendo  os últimos mais recomendados, por possuírem um mecanismo que controla a temperatura evitando assim o aquecimento excessivo da água do aquário – e  ela é monitorada utilizando-se termômetros que podem ser tanto internos quanto externos. Acessando a nossa área intitulada "Temperatura" você encontra várias opções de termômetros, aquecedores e termostatos.

São peixes ditos "de couro" e possuem uma camada muito mais fina (podendo até mesmo estar ausente) de muco epitelial externo, não suportam a presença de sal na água (NaCl), pois ele pode facilmente levá-los à morte por desidratação rapidamente devido à grande diferença osmótica criada, à qual não estão adaptados e não são capazes de enfrentar!!!


Peixes que podem ser colocados com cascudos: pode colocá-los juntamente com todos os peixes de pH ácido, inclusive os peixes de rio (desde que sejam de mesmo tamanho). Pode adaptá-los para pH neutro e colocar com todos os peixes deste pH. Não recomendamos colocá-lo em pH alcalino, por diminuir sua expectativa de vida de horas (depende da aclimtação) à anos e irá maltratá-los silenciosamente, forçando sua natureza (não concordamos). Também não é indicado como faxineiro de aquário (é lenda), pelo contrário, ele tem fezes bem grandes e defeca com frequência. E não recomendamos colocá-los em lago, primeiro por ser animal de temperatura tropical e segundo porque em lagos não é possível vê-los, pois, trata-se de animal de fundo, logo, não há motivos.


PEIXES COMPATÍVEIS:

1. Sempre planeje seu aquário com peixes de mesmo pH, temperatura, nível de agressividade e tamanho próximo:

- Água ácida (6.0 a 6.8), água neutra (6.8 a 7.2) ou água alcalina (7.2 a 9.0);
- Mesma temperatura (peixes tropicais: 26 a 30 graus C / peixes de água fria: 18 a 26 graus C);
- Misturar animais pacíficos com pacíficos, agitados com agitados, agressivos com agressivos e carnívoros com carnívoros, qualquer combinação diferente, poderá trazer problemas;
- Também misturar animais grandes, médios e pequenos da mesma espécie quase sempre vai ter problemas. Os peixes médios e pequenos terão menos acesso à alimentação do que os grandes e poderão se tornar peixes defeituosos e subnutridos.

 2.  Se verificar na descrição RsDiscus que o animal é territorialista, de agressividade média a alta, planeje comprar todos os animais no mesmo mês e do mesmo tamanho que os habitantes antigos do aquário. Caso compre novos animais para um aquário já habitado há meses ou anos, pode-se tentar as seguintes técnicas:

- Mudar velhos habitantes briguentos para aquário de quarentena ou hospital e deixá-los lá por um mês, modificar a decoração do aquário, mover pedras, troncos e enfeites de lugar, na tentativa de parecer um novo ambiente, colocar os animais novos no aquário antigo. Após um mês juntar todos no mesmo aquário e verificar o comportamento deles nos próximos dias;

- Colocar os mais briguentos em criadeira de tela ou separar o aquário com tela de acrílico, para que possam se ver, mas, sem agressão ou lutas, por um mês ou mais;

- Última alternativa, doar ou trocar o animal estremamente agressivo com um amigo ou com alguma loja do ramo;

3. Se você tem aquário principal com animais grandes e só encontrar pequenos para a compra:

- Pode-se criá-los em aquário quarentena (somente vidro, filtro tipo hang on e termostato) para engorda e crescimento, alimente-os com duas ou mais rações de qualidade (para dar variedade), alimento congelado e vivo em abundância (alimentação de 2 a 3 vezes ao dia), troca parcial de água (TPA) a cada 2 dias (15%), a RsDiscus indica o uso de Garlic, Vitaminas e Sais* (não utilize nenhum tipo de sal para peixes de couro, como cascudos, botias e corydoras, entre outros). Cerca de 5 a 9 meses estarão juvenis e com tamanho de competição com outros animais adultos do aquário principal.



      GUIA DE ACLIMATAÇÃO VISUAL RSDISCUS AQUÁRIOS:


Tem dúvidas sobre a quantidade de peixes em seu aquário? A RsDiscus te dará uma mãozinha:


Fontes consultadas:

Roberto Sentanin (criador profissional de peixes ornamentais desde 1990 e fundador da RsDiscus Aquários out/2004)

Fishbase

Planet Catfish

Aqua-Fish

Conhecendo um pouco mais sobre cascudos - Vladimir Simões

Características



Deixe seu comentário e sua avaliação