Baiacu Amazonico 4 cm (NOVIDADE)

Código: 10060

Marca: LOJA

Avaliação: 0 Comentário(s)
Na compra desse produto ganhe 52 pontos RsDiscus

Por:
R$ 52,00

R$ 46,80 à vista com desconto Depósito Bancário
Simulador de Frete
- Simulador de Frete
/10

Baiacú Amazonico


Nome Popular: Baiacú Amazonico,
Nome Científico: Colomesus asellus
Família: Tetraodontidae
Origem: Bacia Amazônica (Rio Amazonas e Afluentes, do Peru à Ilha de Marajó)
Sociabilidade: Sozinho ou cardume
pH: 6.5 a 7.5
Temperatura: 25 a 28ºC
Dureza da água: Leve à moderada
Expectativa de vida: Cerca de 2 a 3 anos
Manutenção: Média
Tamanho adulto: Aproximadamente 5 cm

Alimentação: Na natureza se alimenta principalmente de pequenos caramujos, blood worms e pequenos insetos vivos, para incentivar a reprodução e manter seu peixe saudável e com belas cores é recomendado oferecer alimentos vivos e fontes de proteína vegetal para o complemento da dieta, além de ração específica para a espécie.

Carnívoro. Espécie de difícil adaptação à ração (Preferência por granulada). Aceita bem caramujos e camarão fresco (descongelado), além de minhocas, tenébrios e qualquer coisa que se mexa sobre a água. São bem curiosos e costumam morder tudo que parece interessante, inclusive outros peixes.

Espécie famosa pela sua capacidade de se inflar e pelas lendas acerca de sua carne supostamente venenosa. Possuem os olhos nas laterais da cabeça e não possuem escamas, mas sim uma espécie de “couro” que ao toque lembra borracha. Sua coloração é predominantemente verde brilhante, com listras negras irregulares e o ventre branco. Curiosamente, o Baiacu Amazônico é um dos poucos peixes capazes de piscar ou mesmo fechar completamente os olhos.

São peixes bastante ativos, nadam incessantemente durante o dia inteiro. Não demonstram agressividade uns com os outros e embora não nadem em cardume, se tornam mais calmos em maior número. A espécie não tem tolerância para peixes muito maiores e não se sente confortável na presença dos mesmos, nadando contra o vidro na direção oposta. Esse comportamento é comum na espécie e geralmente está associado a algum tipo de stress, como peixes maiores, condições ruins da água, etc. Baiacus não gostam de água parada e preferem correntes razoáveis, nadando contra elas com grande empenho. Passam boa parte do dia brincando na corrente da saída do filtro.


Dica RsDiscus: Poderá tentar dar a seguinte ração como opção, mas, nem todos aceitarão – Tetra Color bits. O ideal é deixar caramujos vivos à vontade no aquário para alimentação dos mesmos.

Veja as rações indicadas nos catálogos abaixo:

Rações Tetra

Rações Sera

Rações JBL


Dimorfismo sexual: Os juvenis são difíceis de sexo corretamente, mas os machos maduros têm uma linha escura clara correndo longitudinalmente sobre grande parte da superfície ventral (lado de baixo), que as fêmeas não têm. Normalmente os machos também apresentam um padrão de linhas estreitamente dispostas logo atrás do olho. Sexualmente fêmeas maduras são mais roliças dque os machos.

Comportamento:  São pacíficos em aquários comunitários com outras espécies. Cuidado especial para não misturar com peixes médios ou grandes que podem comé-lo. Cada baiacú precisa de aquário com 12 litros no mínimo, caso for fazer cardume, reserve cerca de 8 litros no mínimo para cada animal.

Reprodução: Ao contrário de muitos de seus parentes, ele tem sido criado com sucesso em aquários em numerosas ocasiões. Mantendo mais fêmeas do que os machos, o aquário deve ser plantado muito densamente, dar em abundância pequenos caracóis na alimentação. A fêmea põe os ovos em pedaço de vegetação rasteira. Os ovos quase transparente são pequenas (~ 1 mm de diâmetro). Os ovos saudáveis ​​devem eclodir em cerca de 5 dias e os filhotes terão mais 2 ou 3 dias para consumir seu saco vitelino, até o ponto que eles vão começar a se tornar mais ativos. Os alimentos iniciais devem ser com microvermes.

Tamanho mínimo do aquário: 12 litros para um indivíduo ou no mínimo 8 para cada indíviduo em um cardume.

Outras informações:  Gostam de aquários com muitas plantas - estilo low light (com anubias e microsoriuns ou elodeas, cambomba e valisnéria), principalmente plantas soltas na superfície e não gostam de iluminação forte.


Estes peixes apresentam sua coloração de forma vívida apenas quando mantidos em ambiente ideal, peixes em situação estressante (baterias de lojas, logo após o transporte, etc) podem apresentar coloração muito pálida, que é facilmente revertida ao ser transferido para um local com parâmetros e necessidades adequadas à espécie.

É extremamente importante o monitoramento dos parâmetros da água, para isto são recomendados os testes periódicos de pH, GH, KH, Amônia, Nitrito e Nitrato. Existem produtos que testam certos parâmetros constantemente, sem que o aquarista necessite fazê-los a toda hora e que permitem um monitoramento 24 horas, são eles o Seachem Ammonia Alert e Seachem pH Alert – ambos disponíveis em nossa área de “Medicamentos e Testes” Todos os outros testes químicos também podem ser encontrados na mesma área supracitada do site.

Igualmente importante é a manutenção constante da temperatura da água para evitar quedas bruscas que podem levar à debilitação do sistema imunológico do animal e ao surgimento de doenças. Esta manutenção é atingida com o auxílio de aquecedores e/ou termostatos – sendo  os últimos mais recomendados, por possuírem um mecanismo que controla a temperatura evitando assim o aquecimento excessivo da água do aquário – e  ela é monitorada utilizando-se termômetros que podem ser tanto internos quanto externos. Acessando a nossa área intitulada “Temperatura” você encontra várias opções de termômetros, aquecedores e termostatos.


Peixes que podem ser colocados com baiacus: Recomendamos monodactylus, scatophagus e asiáticos em geral de pH alcalino. Não recomendamos colocá-lo em pH neutro e nem ácido, por diminuir sua expectativa de vida de horas (depende da aclimatação) à anos e irá maltratá-los silenciosamente, forçando sua natureza (não concordamos). Ao manter mais de um baiacú por aquário (mesma variante ou não), o mínimo recomendado é de 1 baiacú para cada 50 litros, com muitas tocas e esconderijos para tentar que não hajam brigas por território.


PEIXES COMPATÍVEIS:

1. Sempre planeje seu aquário com peixes de mesmo pH, temperatura, nível de agressividade e tamanho próximo:

- Água ácida (6.0 a 6.8), água neutra (6.8 a 7.2) ou água alcalina (7.2 a 9.0);
- Mesma temperatura (peixes tropicais: 26 a 30 graus C / peixes de água fria: 18 a 26 graus C);
- Misturar animais pacíficos com pacíficos, agitados com agitados, agressivos com agressivos e carnívoros com carnívoros, qualquer combinação diferente, poderá trazer problemas;
- Também misturar animais grandes, médios e pequenos da mesma espécie quase sempre vai ter problemas. Os peixes médios e pequenos terão menos acesso à alimentação do que os grandes e poderão se tornar peixes defeituosos e subnutridos.

 2.  Se verificar na descrição RsDiscus que o animal é territorialista, de agressividade média a alta, planeje comprar todos os animais no mesmo mês e do mesmo tamanho que os habitantes antigos do aquário. Caso compre novos animais para um aquário já habitado há meses ou anos, pode-se tentar as seguintes técnicas:

- Mudar velhos habitantes briguentos para aquário de quarentena ou hospital e deixá-los lá por um mês, modificar a decoração do aquário, mover pedras, troncos e enfeites de lugar, na tentativa de parecer um novo ambiente, colocar os animais novos no aquário antigo. Após um mês juntar todos no mesmo aquário e verificar o comportamento deles nos próximos dias;

- Colocar os mais briguentos em criadeira de tela ou separar o aquário com tela de acrílico, para que possam se ver, mas, sem agressão ou lutas, por um mês ou mais;

- Última alternativa, doar ou trocar o animal estremamente agressivo com um amigo ou com alguma loja do ramo;

3. Se você tem aquário principal com animais grandes e só encontrar pequenos para a compra:

- Pode-se criá-los em aquário quarentena (somente vidro, filtro tipo hang on e termostato) para engorda e crescimento, alimente-os com duas ou mais rações de qualidade (para dar variedade), alimento congelado e vivo em abundância (alimentação de 2 a 3 vezes ao dia), troca parcial de água (TPA) a cada 2 dias (15%), a RsDiscus indica o uso de Garlic, Vitaminas e Sais* (não utilize nenhum tipo de sal para peixes de couro, como cascudos, botias e corydoras, entre outros). Cerca de 5 a 9 meses estarão juvenis e com tamanho de competição com outros animais adultos do aquário principal.



      GUIA DE ACLIMATAÇÃO VISUAL RSDISCUS AQUÁRIOS:


Tem dúvidas sobre a quantidade de peixes em seu aquário? A RsDiscus te dará uma mãozinha:


Fontes consultadas:

Roberto Sentanin (criador profissional de peixes ornamentais desde 1990 e fundador da RsDiscus Aquários out/2004)

Fishbase

Aqua-Fish

Seriously Fish

Características



Deixe seu comentário e sua avaliação